Síndrome do Pânico

Síndrome do pânico: O que é, causas e tratamento.Sentir um medo ou mal-estar muito intenso, taquicardia, suor e ter a sensação de morte iminente são alguns dos sintomas que caracterizam o Transtorno do Pânico. Este transtorno está classificado dentro dos transtornos de ansiedade pelo DSM-IV (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders).

Sintomas da Síndrome do Pânico

Para se configurar o seu diagnóstico são necessários (1) Ataques de pânico recorrentes e espontâneos (inesperados) e (2) pelo menos um ataque foi seguido, durante um mês ou mais, das seguintes características: a) preocupação persistente em relação a ataques adicionais; b) preocupação em relação às implicações do ataque ou às suas consequências (perder o controle, ter um ataque cardíaco, enlouquecer, etc.); c) alteração significativa do comportamento relacionada às crises de pânico.

É muito comum a procura por emergências médicas ao sentir esses sintomas, pois as pessoas costumam buscar uma causa orgânica. Ao ir à emergência e não encontrar essa causa gera um sofrimento tremendo para o indivíduo que busca uma explicação. Muitas vezes os familiares duvidam e desconfiam que seja “pitis” ou “frescuras”.

Esse transtorno é claramente diferente de outros tipos de transtornos de ansiedade, pois suas crises são súbitas. Geralmente seus fatores desencadeantes não são claros para o indivíduo e frequentemente são crises incapacitantes. Seus sintomas aparecem como uma preparação do organismo para algo “terrível”. Por isso, a reação comum é a fuga/esquiva dessas situações. Assim, após ter tido uma crise de pânico a pessoa pode desenvolver medos irracionais e evitar situações.

Porém, mais importante que o diagnóstico é o seu tratamento e você pode se perguntar: tenho a síndrome do pânico? O que fazer?

Síndrome do Pânico têm cura?

Terapia Comportamental (TC) vem realizando inúmeras pesquisas e estudos na área dos Transtornos de Ansiedade. O seu alto índice de ocorrência na clínica e as diferentes formas de manifestações, possivelmente são frutos de uma sociedade com o ritmo acelerado e com altos padrões de exigência individuais e grupais.

Dessa forma, a Terapia Comportamental inicia questionando o conceito de “anormalidade”. A TC considera que todo comportamento do indivíduo é funcional aquele ambiente em que ele está inserido. Cada indivíduo estabelece uma relação única com seu ambiente, sendo, funcional para a pessoa naquele momento ter desenvolvido tais sintomas. Entretanto, é de fundamental importância a análise e intervenção do transtorno e seus sintomas, pois geram sofrimento pessoal e uma disfunção social.

Possíveis Tratamentos para Síndrome do Pânico

Nesse sentido, um dos objetivos terapêuticos é compreender a função do pânico na vida da pessoa, que será diferente em cada caso. Existem estratégias desenvolvidas para lidar emergencialmente com as crises, como técnicas de relaxamento e instruções sobre o transtorno. Concomitantemente é imprescindível que se trabalhe em sessão a criação de novos repertórios. Isso poderá proporcionar ao indivíduo lidar diante de situações aversivas. Assim, será possível ampliar os ambientes que o mesmo frequentará com o objetivo de entrar em contato com novas fontes prazerosas/reforçadoras, gerando um aumento nas relações sociais e uma redução nos comportamentos de fuga/esquiva causados e mantidos pela ansiedade.

O seu tratamento precoce é fundamental para reduzir o sofrimento e prejuízo associado ao transtorno. Além de prevenir o surgimento de complicações e comorbidades. Em alguns casos é indicado o tratamento associado entre Psicólogos e Psiquiatras. O objetivo é de utilizar medicamentos que auxiliem no momento das crises. Mas não esqueça: “prevenir é melhor que remediar”. Utilizar medicamentos sem investigar e trabalhar as possíveis causas gera alívio em curto prazo, porém as chances de reincidências são maiores.

Quer saber mais sobre os transtornos de ansiedade? Entre em contato!

Imagem: Pinterest

Autora: Psicóloga Camila Reis (CRP 06/112110)